Febre Amarela: o que você deve saber antes de viajar para o exterior

Tudo que você precisa saber antes de viajar sobre a Febre Amarela

Dani Pádua
em 24/01/2018 às 15:31

Como todos devem estar acompanhando nos últimos tempos, a febre amarela voltou a ser um assunto falado no início de 2018, depois de alguns casos em macacos e em humanos que foram registrados no Brasil.

Desde julho do ano passado, já foram confirmadas pelo Ministério da saúde, algumas ocorrências e mortes nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal.

 

Primeiro vamos entender o que é a Febre Amarela:

 

Febre amarela é uma doença viral aguda causada pelo vírus da febre amarela.  É causado nas cidades, pelo Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue, a febre Chicungunha e o Vírus Zika. Desde 1942 a febre amarela é considerada erradicada em áreas urbanas do Brasil, mas casos em áreas rurais foram confirmados desde então. No início do ano de 2017 ocorreu um novo surto de febre amarela no leste de Minas Gerais com algumas mortes.

Para que o combate à doença seja totalmente efetivo é fundamental o controle deste mosquito e a vacinação das pessoas que vivem em áreas endêmicas.

 

Diferença entre Febre Amarela Silvestre e Urbana

 

O vírus que causa a febre amarela urbana e a silvestre é o mesmo. Os sinais, sintomas e evolução da doença são os mesmos também.  A diferença está nos mosquitos transmissores e na forma de contagio. A febre amarela silvestre é transmitida pelos mosquitos (Haemagogus e o Sabethes) que vivem nas matas e na beira dos rios. Os mosquitos contaminados picam os macacos, e estes morrem. A febre amarela urbana não existe no Brasil desde 1942 e é transmitida  quando um mosquito urbano, o Aedes aegypti, pica uma pessoa doente, ficando então portador do vírus, e picando outra pessoa pode transmitir a doença.

 

Sintomas da Febre Amarela

 

Na maioria dos casos, os sintomas incluem febre, calafrios, perda de apetite, náuseas, dores de cabeça e dores musculares, principalmente nas costas. Os sintomas geralmente melhoram após cinco dias.

Em algumas pessoas, no prazo de um dia após os sintomas melhorarem, a febre regressa, aparecem dores abdominais e as lesões no fígado causam icterícia, se isso acontece, aumenta o risco de insuficiência renal.

 

Prevenção

 

A prevenção da febre amarela se dá através do combate aos mosquitos e de vacinação. Nas áreas de risco a vacinação deve ser feita a partir dos seis meses de vida, enquanto nas outras áreas pode ser a partir dos nove meses. Viajantes que forem para Amazônia ou Pantanal devem tomar um reforço dez dias antes. Mas lembrando que os locais podem aumentar devido aos surtos, como está acontecendo em algumas regiões do Brasil.

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda a aplicação de repelente nas áreas expostas da pele (evitar os que também tem protetor solar), além de se hospedar em locais com tela de proteção em portas e janelas. Em passeios ecoturístico como trilhas, é importante utilizar roupas que protejam o corpo contra picadas de insetos: camisas de mangas compridas, calças, meias e sapatos fechados, são fundamentais. E evitar perfumes em áreas de mata.

É importante lembrar que não deve utilizar repelentes em crianças com menos de dois meses de idade.

 

Tratamento

 

O tratamento é apenas sintomático, ou seja, constituído por um sintoma. Deve utilizar antitérmicos e analgésicos (anti-flamatórios e salicilatos como AAS não devem ser tomados). É importante se hospitalizar quando necessário, com reposição de líquidos e perdas sanguíneas.

 

 

Vacinação contra Febre Amarela

 

Pessoas que residem ou viajam para zonas endêmicas de febre amarela devem ser vacinadas. A vacina que possui quase 100% de eficácia tinha validade por dez anos e eram necessárias duas doses, com intervalo de dez anos após a primeira dose. Mas em abril de 2017, o Ministério da Saúde anunciou que apenas uma dose da vacina é necessária. A OMS considera uma vacina como suficiente para gerar imunidade por toda a vida.

Segundo recomenda o Ministério da Saúde, mulheres que estão amamentando devem adiar a vacinação contra a febre amarela até a criança completar seis meses. Grávidas a princípio devem evitar, até que o risco de contrair o vírus seja alto, como por exemplo: o sítio que ela mora houve um macaco que morreu por febre amarela. Então nesse caso, vale a pena vacinar.

A vacina é contraindicada também para idosos acima dos 60 anos, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas por alguma doença ou tratamento e pessoas com alergia grave a ovo. Em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou mesmo uma viagem, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação para estes grupos.  No Brasil, a vacina contra a febre amarela faz parte do esquema básico da infância nos Estados onde a doença é endêmica. A vacina é composta de vírus atenuado e só faz efeito dez dias após sua aplicação. Então turistas que forem a uma área que precise de vacina é recomendado que fossem vacinados pelo menos dez dias antes da viagem para estarem devidamente protegidos.

 

 

Vacinação Fracionada

 

A vacina fracionada é uma dose com um quinto do volume da imunização tradicional. A dose tradicional possui 0,5ml e a fracionada possui 0,1ml. Mas a segurança é a mesma da tradicional, o que muda é a validade. A fracionada dura pelo menos oito anos, enquanto a tradicional dura à vida toda.

O governo brasileiro decidiu utilizar as doses fracionadas, devido a um estoque limitado, e sendo assim, fazer uma ação rápida de vacinação e com isso bloquear o avanço do vírus.

Mas importante constatar que nem todo mundo pode tomar a dose fracionada. Ela é utilizada para alguns  grupos específicos, coomo pessoas acima dos 2 anos de idade que estiverem nas áreas de risco. Pessoas com mais de 60 anos devem consultar o médico antes de tomar a vacina.

 

Campanha nos Estados

 

No estado de São Paulo, 4,9 milhões de pessoas irão receber a dose fracionada e 1,4 milhão, a dose padrão em 52 municípios. O período da campanha se iniciou no dia 25 de janeiro e irá até 24 de fevereiro, sendo os dias 3 e 24 (sábados) os dias D de mobilização.

No estado do Rio de Janeiro, 2,4 milhões de pessoas devem receber a dose fracionada da vacina e 7,7 milhões, a padrão em 15 municípios. A campanha se iniciou no dia 25 de janeiro e irá até 9 de março, sendo o dia 24 o dia D de mobilização.

Já na Bahia, 2,5 milhões de pessoas serão vacinadas com a dose fracionada e 813 mil com a dose padrão em oito municípios. Em razão do carnaval, a campanha será feita no dia 19 de fevereiro a 9 de março, sendo o dia 24 o dia D de mobilização.

 

Quais países são exigidos a vacina contra a Febre Amarela?

 

Com certeza é o que mais gera dúvida quando vamos viajar.  Ao todo são 135 países que necessitam da vacina contra febre amarela. Consulte todos países que exigem. Na América do Sul, por exemplo, os países que exigem são: Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Paraguai e Suriname.

Então é necessário fazer o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP). Ele é um documento que comprova a vacinação contra as doenças, conforme o Regulamento Sanitário Internacional também encontrado no Site da Anvisa

Importante lembrar que antes de obter o Certificado, a pessoa deve ter tomado a vacina exigida e depois fazer um Pré-cadastro. Logo após, você deve comparecer ao estabelecimento que emitirá o Certificado, com a sua carteira de vacinação e documento com foto. Para mais informações, consulte no site da Anvisa.

 

Certificado Internacional de Vacinação